RELEASES EMPRESARIAIS

QUARTA-FEIRA, 13 DE MAIO DE 2020 - Horário 3:38
nbe
ECO/ PRNewswire - Nova projeção prevê mortes de COVID-19 a cerca de 90.000 no Brasil

"O sistema de saúde da nação enfrenta um desafio assustador"

SEATTLE, 13 de maio de 2020 /PRNewswire/ -- O Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (IHME) da Universidade de Washington está prevendo quase 90.000 mortes relacionadas ao COVID-19 no Brasil até agosto.

A análise inclui previsões para oito dos 26 estados brasileiros que foram os primeiros a ter mais de 50 mortes, incluindo São Paulo, com quase 37.000 mortes previstos, para o Paraná com menos de 250 mortes.

"As projeções do IHME para mortes no Brasil indicam claramente que o sistema de saúde do país está enfrentando um desafio assustador", disse o diretor do IHME, Dr. Christopher Murray. "Nosso objetivo em anunciar esses resultados é informar aos decisores políticos a melhor forma de controlar e mobilizar para o COVID-19".

A previsão atual do IHME dura até 4 de agosto e, como Murray observou, as projeções do Instituto mudam à medida que novos dados são adquiridos e analisados. Estados adicionais serão adicionados às próximas previsões. Flutuações são esperadas.

A análise do Instituto conclui que haverá 88.305 mortes no Brasil, com um intervalo possível tão baixo quanto 30.302 e tão alto quanto 193.786 até 4 de agosto. Inclui oito dos 26 estados do país. Por estado, os resultados são:

São Paulo: 36.811 mortes previstas até 4 de agosto, com variação de 11.097 a 81.774 Rio de Janeiro: 21.073 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 5.966 a 51.901 Pernambuco: 9.401 mortes previstas até 4 de agosto, com faixa de 2.468 a 23.026 Ceará: 8.679 mortes previstas até 4 de agosto, com variação de 2.894 a 18.592 Amazonas: 5.039 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 1.859 a 9,383 Maranhão: 4.613 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 868 a 12.661 Bahia: 2.443 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 529 a 8.429 Paraná: 245 mortes previstas até 4 de agosto, com faixa de 170 a 397Os resultados de hoje seguem pedidos dos líderes da saúde para projeções de mortes e outras assuntos relacionadas ao COVID-19, como recursos hospitalares necessários para ajudar a lidar com a pandemia. As estimativas do IHME mostram que o Brasil está com uma falta de mais de 3.000 camas hospitalares de UTI, e a lacuna é prevista crescer. Alguns estados brasileiros também estão sofrendo falta aguda. Estima-se um déficit de mais de 3.000 camas hospitalares e mais de 1.000 camas de UTIs no Amazonas a partir de 12 de maio, e em São Paulo, um déficit de mais de 1.000 camas de UTIs.

"É importante que os países e as regiões analisem atentamente a capacidade hospitalar, as necessidades de recursos, e a trajetória contínua de casos de coronavírus", disse Jarbas Barbosa, Diretor Assistente da Organização Pan-Americana da Saúde. "A epidemia na América Latina está chegando mais tarde que na Europa. Este é um momento para estar vigilante, observar os dados, e implementar as medidas relevantes da saúde pública."

Murray observou que sua organização trabalhou em estreita colaboração com os funcionários da OPAS e outros membros de sua rede de colaboradores, totalizando agora mais de 5.000 pessoas em mais de 150 países.

Os países latino-americanos com as maiores mortes previstas após o Brasil estão enfrentando números menores, mas ainda sofrem falta de recursos:

México: 6.859 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 3.578 a 16.795 Peru: 6.428 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 2.731 a 21.724 Equador: 5.215 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 4.844 a 6.052As previsões do Instituto para todos os países e as regiões são baseadas em um modelo híbrido. O modelo IHME lançado em 26 de março para estimar a demanda de recursos hospitalares agora é combinado com um modelo de transmissão de doenças. O novo modelo captura o impacto de mudanças nos mandatos de distanciamento social, mudanças na mobilidade, e testes e rastreamento de contatos. Ele permite prever um ressurgimento se e quando mais mandatos de distanciamento social forem levantados.

"Este novo modelo é a base para a estimativa preocupante de mortes no Brasil e em outras nações," disse Murray. "O modelo permite a atualização regular à medida que novos dados são divulgados sobre casos, hospitalizações, mortes, testes, e mobilidade. Ele pode informar as decisões sobre o mandato e, mais tarde, o levantamento as políticas de distanciamento social para minimizar o risco de infecções. Como em todas as nossas previsões, elas serão atualizadas regularmente e novos dados serão adicionados como disponíveis. "

As novas projeções de morte estão disponíveis em https://covid19.healthdata.org/projections.

O IHME agradece ao programa Microsoft AI for Health por oferecer suporte à hospedagem de visualizações de dados COVID-19 na nuvem do Azure.

Sobre o Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (Institute for Health Metrics and Evaluation - IHME )

O Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (IHME) é uma organização global independente de pesquisa em saúde da Faculdade de Medicina na Universidade de Washington, que fornece medidas rigorosas e comparáveis dos problemas da saúde mais importantes do mundo e avalia as estratégias usadas para resolvê-los. O IHME está comprometido com a transparência e disponibiliza amplamente essas informações para que os decisores políticos tenham as evidências necessárias para tomar decisões informadas sobre a alocação de recursos para melhorar a saúde da população.

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1156878/IHME_Logo.jpg

FONTE Institute for Health Metrics and Evaluation


© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.