RELEASES EMPRESARIAIS

TERÇA-FEIRA, 12 DE NOVEMBRO DE 2019 - Horário 11:26
nbe
ECO/ PRNewswire - Nova pesquisa do Conselho Mundial do Ouro destaca oportunidades substanciais para o ouro

LONDRES, 12 de novembro de 2019 /PRNewswire/ -- O Conselho Mundial do Ouro publicou hoje seu novo relatório de pesquisa de consumidor destacando oportunidades para o ouro para quem trabalha nos mercados de investimento de varejo e joalheria. A pesquisa significativa, com uma amostra de 18.000 pessoas, analisa uma variedade de mercados, incluindo China, Índia, América do Norte, Alemanha e Rússia, e destaca visões exclusivas sobre atitudes e percepções sobre o ouro; como e por que as pessoas compram ouro, e também suas razões para não comprar.

 

 

A nova pesquisa revela que o ouro é uma das principais opções - o terceiro investimento mais consistentemente comprado, com 46% dos investidores de varejo globais escolhendo produtos de ouro, logo atrás das contas de poupança (78%) e seguros de vida (54%). Analisando as joias, a pesquisa mostra que 56% dos consumidores compraram joias de ouro fino, em comparação com 34% que compraram joias de platina. 

Além disso, a nova pesquisa revela que mais de um terço (38%) dos investidores de varejo e entusiastas da moda nunca compraram ouro no passado, mas estão entusiasmados com a ideia. Isso mostra um enorme potencial para o crescimento do mercado de ouro se as fontes de demanda inexploradas puderem ser convertidas.

Em resumo, cinco temas principais surgiram no relatório:

As pessoas têm confiança - e são leais ao - ouro. Mais de dois terços (67%) de todos os investidores de varejo acreditam que o ouro é uma boa forma de se salvaguardar contra as flutuações da inflação e do câmbio, e 61% confiam no ouro mais do que nas moedas fiduciárias. O setor precisa crescer com base nessa confiança, mantendo-se alerta às áreas em que é mais fraco.

Mas há áreas de desconfiança. Embora as pessoas confiem no ouro, há alguma desconfiança entre aqueles que nunca compraram ouro no passado, mas estão abertos à ideia de comprar no futuro, com 48% e 28% de todos os potenciais consumidores de investimentos e joalherias, respectivamente, citando falta de confiança como uma barreira significativa. Pode existir desconfiança em torno de barras e moedas falsas ou forjadas, pureza do produto ou a confiabilidade de alguns varejistas. 

O ouro pode repercutir mais profundamente entre os consumidores mais jovens. As atitudes da geração dos Millennials em relação ao ouro não são tão diferentes das que possuem as gerações mais velhas. Mas existem receios importantes entre o público jovem da Geração Z, que são particularmente fortes no mercado de joias da China. Por exemplo, 40% dos consumidores de moda entre 18-24 anos na China concordam que o ouro pode trazer boa sorte em comparação com 88% daqueles com idades entre 55 e 65 anos.

A inovação tecnológica pode criar um caminho para novos públicos. Sabemos que existem alguns atores pioneiros e experientes em tecnologia no mercado de ouro. Mas nossos dados sugerem que são poucos. Não é boa a comparação do ouro com outros investimentos de varejo e itens de moda quando analisada através das lentes da distribuição, marketing e comunicação digitais. Os investidores de varejo globais compram apenas 9% das moedas de ouro e 6% das joias via on-line, em comparação com 25% dos ETFs lastreados em ouro.

Existem lacunas de conhecimento nas mentes dos potenciais compradores de ouro que precisam ser preenchidas. Dois terços (66%) dos potenciais consumidores de ouro no mundo dizem que não possuem o conhecimento necessário para comprar ouro. É preciso aumentar o conhecimento sobre o ouro através da TV, da mídia impressa e social; é necessário ter uma educação de qualidade sobre os benefícios de possuir ouro; e, embora não seja uma questão comum agora, a próxima geração de potenciais compradores de ouro precisa saber mais sobre as credenciais éticas do setor.

David Tait, CEO do Conselho Mundial do Ouro, comentou: "O mercado varejista de ouro é saudável, com o ouro sendo considerado uma das principais opções. Mas o que realmente me empolga é a parte inexplorada do mercado: aquelas pessoas que nunca compraram ouro, mas se animam com a ideia de fazer isso no futuro.

"Dois problemas devem ser resolvidos para nos conectarmos com esses possíveis compradores de ouro: confiança e conhecimento. Esse mercado pode florescer se pudermos construir confiança em todo o amplo espectro de produtos de ouro que estão sendo vendidos e aumentar a consciência sobre o papel positivo que o ouro pode desempenhar na proteção da riqueza das pessoas".

O relatório Pesquisa do consumidor, que inclui novos dados abrangentes com informações do consumidor, pode ser visualizado em www.retailinsights.gold.

Você pode seguir o Conselho Mundial do Ouro no Twitter em @goldcouncil e Curtir no Facebook . 

Nota aos editores:

Conselho Mundial do Ouro

O Conselho Mundial do Ouro é a organização de desenvolvimento de mercado para a indústria do ouro. Nosso objetivo é estimular e sustentar a demanda por ouro, fornecer liderança no setor e ser a autoridade global no mercado de ouro.

Desenvolvemos soluções, serviços e produtos baseados em ouro, usando informações de mercado autorizadas e trabalhamos com vários parceiros para colocar nossas ideias em ação. Como resultado, criamos mudanças estruturais na demanda por ouro nos principais setores do mercado. Fornecemos informações sobre os mercados internacionais de ouro, ajudando as pessoas a entender as qualidades de preservação de riqueza do ouro e seu papel no cumprimento das necessidades sociais e ambientais da sociedade.

Os membros do Conselho Mundial do Ouro incluem as principais empresas de mineração de ouro com visão de futuro do mundo.

Para mais informações, entre em contato: 

Stephanie Mackrell Conselho Mundial do Ouro Tel: + 44-207-826-4763 E-mail: stephanie.mackrell@gold.org

Eloise Cazalet Edelman Tel: +44-203-047-2587 E-mail: gold@edelman.com

FONTE World Gold Council


© 2014 Todos os direitos reservados a O Globo e Agência O Globo. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.